Autor

31 de julho de 2013

As 1843 turmas dos contratos de associação mantêm-se e no ensino público é a vergonha que se vê...

Não se entende como a rapaziada governativa ainda não entendeu que, pelas diferentes particularidades que apresentam, as duas realidades educativas não podem ser geridas da mesma forma. Acresce o despejo de querer forçar assimetrias entre o ensino particular com contrato de associação e o ensino público, promovendo a estabilidade do ensino particular e a instabilidade no ensino público. 

"Número de professores declarados com horário zero é superior ao do ano passado"

Alteração da rede escolar fez disparar número de professores sem componente lectiva. Ministério tinha garantido que estava a trabalhar para que tal não acontecesse.